24 de jun de 2010

CONTINENTE DE PALAVRAS



arte/Maysa Brito

DESAFOGO O OLHAR ENCHARCADA DE OCEANOS.
SE NÃO SÃO TRAIÇOEIRAS AS CORRENTEZAS,
O QUE EU FAÇO MEU DEUS, PRA REAPRENDER A NADAR,
SE TUDO ME DOI DESDE QUANDO.
SE CADA BRAÇADA VEM NO ESTIO DO CANSAÇO
DE TODO O AMOR QUE ACREDITEI ESTAR PORVIR E NÃO VEM.
O QUE É QUE EU FAÇO COM TANTA SECURA BORRADA EM LÁGRIMAS
E O PEITO ESTUFANDO DENTRO ANSIOSO EM TOCAR NOVOS ACORDES
ACORDA MELODIAS DE UM JAZZ DESAFINADO PELOS ANOS.
TANTO QUERER SUFOCADO ENCLAUSURADO ESTRANGULADO DE QUANDO EM SEMPRE
E NINGUEM PRA DESCOBRIR.
TANTA TRISTEZA LEGITIMADA SOBRE COISAS E UM DESEJO DO SEM FIM.