29 de jul de 2008

TODA VIDA UIVA
para Chacal
(poema inspirado no título do livro" A vida é curta para ser pequena")
As borboletas não são azuis nem o céu é cinzento.
Eu gaivota que não tenho pouso certo
que rasgo o ar em busca de novos rumos
que me arremesso contra oceanos em troca de alimento,
sublimo as verdades absolutas, afirmo que a liberdade é invisível
toda vida é curta para ser amorfa, só a chuva tem cheiro
mas todo amor é um universo de poemas
e arde...

28 de jul de 2008


...caem estrelas no desassossego do mundo,
mundo, repartido mundo,
em classes, claves e esses
em cores, espelhos e gestos...
meu prumo nada tem de rumo
também nada tem de oblíquo,
meu caminho são as coisas que escrevo
e nada sei...

26 de jul de 2008


METAMORFOSE

sombra genuína em meu corpo carrega um rio seco que amputa ossos e dentes.
sou retalho e fadiga de um deus que amei em algum lugar da eternidade.
melancolia e melodias, um atalho, um pouco ou nada do que a vida se mostrou.
só em meu peito nu, um gemido de gatos assusta o coração em breves momentos de calma.
meus medos gemem e uivam feito lobos atrás de carniça.
eis o meu corpo atado como estilhaço.
eis o fel que escorre do coração, sobre mãos que insistem em perpetuar alguns versos no escuro da hora.
eis-me aqui quase inteira para o seu repasto.


...eu queria tocar a Valsa Vienense mas, teclo "Pianos Invisíveis",(ed.Ibis Libris)... ainda assim esta foto tirada pelo Guilherme Paranhos, foi parar na coluna da Scarlet Moon, no caderno Zona Sul do jornal O Globo.
DESLIZE
Nunca fui das rotinas.
Retina em preto e branco.
Pertenço ao andar.
Vago. É tudo.

25 de jul de 2008

Poesia é um esvaziamento de palavras...

24 de jul de 2008

DEFLAGRAR POEMAS NO AR
É TUDO
OU PARTE DO TODO
QUE AINDA NÃO VI.

20 de jul de 2008

FLIP - Parati/ Sarau na casa do Príncipe

Unhas Vermelhas

Em momentos de cólera olho minhas unhas vermelhas
e sinto escorrerem gotas de sangue
que teimam em sujar a brancura alva do meu corpo
enquanto rôo minhas unhas até o vermelho sangue
tornar-se o vermelho que escorre cristalino
e incolor sobre o negrume da minha alma.
meus laços são os acasos
como ocasos ao acaso.

19 de jul de 2008

Mesmo o fundo é claro.
Escuro é o lado de fora
NOITE DO LANÇAMENTO DE "PIANOS INVISÍVEIS"


eu e meus dois anjos que me fazem sorrir


Igor Cotrim, Bayard Tonelli, Gean Queiroz e Eliane Britto


autografando o cd do livro

fotos by Nathalie Bernier

Arranjo
Longe, a melodia arranha uma nota.
Entre os dedos longos, breve pausa.
Música, vozes, distância.
Era assim que ouvia o som de um piano:
invisível, mas perto bem perto do coração.