22 de jun de 2009

SEMPRE SUA E ETERNAMENTE NUA


Foto/Atelier da Imagen

Dormirei pouco hoje
porque a noite é pouca
a madrugada é pouca
e o dia é imenso.
me dê sua boca
sua lingua
seu gosto
pois é tudo desejo
tudo beijo.
depois abra suas pernas
porque meu corpo está obcecado
e o coração adocicado.
me come, me faz de puta
e depois me abrace.
chegue assim sem pedir licença
se meta na minha vida
tire minhas roupas
e engula meus seios.
deixe eu invadir seu peito
quero gemer no seu pescoço
uivar nos seus ouvidos
te fazer de meu e me fingir de sua.
e antes que a lua me amanheça
me faça sua refén
depois eu juro que vou embora.

@mb

8 comentários:

jupyhollanda disse...

uh-hu!

Mariá Ortolan disse...

CA-RAM-BA oO

IAHDIUDHUAIDS³

J.R disse...

Deu até uma coisa..

Adriana Monteiro de Barros disse...

Beijos, beijinhos e beijões "pro cês".

Até o próximo.

Clauky Boom disse...

aaaauuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu

Louis Allien disse...

"e antes que a lua me amanheça
me faça sua refén
depois eu juro que vou embora"

depois da Lua, só a rua
e jamais será necessária a saída.

Lou Vilela disse...

Visceralmente belo!

Abraços,
Lou

Pedro Rodrigues disse...

Eu adoro este tipo de poesia, gostava de ver mais do género.