17 de ago de 2009

DAS MARGENS


foto/google

MEU POEMA NÃO É FEITO DA ÁGUA DOS RIOS
MAS DAS LÁGRIMAS QUE AS ÁGUAS DOS RIOS NÃO LEVAM.
FLUTUO UM POEMA DE URGÊNCIAS.
TUDO NELE É LÍQUIDO.
UM POEMA LÍQUIDO.
MEUS OCEANOS VAZAM ENQUANTO NADO EM DESERTOS.
SUO A LIQUIDEZ DAS PÁLIDAS MANHÃS.
SOU O SILÊNCIO QUE TRANSBORDA INCÊNDIOS EM DESERTOS.
NO FUNDO OU NA RASANTE DOS RIOS
PALAVRAS, SÃO LÁGRIMAS QUE AINDA NÃO CHOREI.

6 comentários:

J.R disse...

Uma boa margem talvez desse um jeito!!

pra conter, cercar e dar um caminho.

às vezes as margens ajudam.

inté.

Moacy Cirne disse...

Seus poemas são feitos com as águas da emoção.

Um beijo.

Adriana Monteiro de Barros disse...

...só preciso dizer que AMO vcs!

beijos

adriana

Raizza disse...

sweetheart! sou a Raizza Monteiro de Barros do orkut :)
Lindo aqui, sempre.
Beijocas!

Moacy Cirne disse...

Menina,
você me deixa encabulado.
Outro
beij
o.

Ana Karina de Montreuil disse...

Dri que lindo me emociono vendo você escrever com tanto amor.
Muitos bjos sempre p você.