1 de dez de 2008

AFETO


tela/Pablo Picasso

Para Meus filhos, Juliana e Gabriel
e Thereza Christina Roque da Motta


Meu corpo é feito de afetos.
É feito de tudo que tem existência,
de tudo que gera uma vida.
Em meu corpo, duas sementes germinaram,
dois presentes, duas bençãos,
dois poemas que jamais sonhei.
Meu corpo é pleno, cheio.
Tudo nele significa.
É um corpo repleto de aberturas e limites.
Um corpo que se ajusta
e se encaixa com os anos
em pés que aprenderam a dançar sem chão
e mãos que tocam notas invisíveis num piano invisível.
Nesses dias, anoiteço mais cedo.
Deixo o vento do outono soprar sobre meu rosto
e a lua da manhã me recobrir de estrelas.
Nesses dias anoiteço dentro de pianos invisíveis.

adriana monteiro de barros

3 comentários:

Pavitra disse...


adriana,

mais do que a suia poesia, me deu vontade de dizer que você é que é linda!

beijos!

Cosmunicando disse...

afeito aos afetos é o corpo-mãe...

beijos

FABIANA BORGIA disse...

Adriana, obrigada pela força! Se der, aparece por lá! Sua poesia é linda, linda, linda. Muito doce! Bjs mil