13 de set de 2008

Anjos também têm asas quebradas

tela/Henri Matisse

De uma janela insulfilm do carro, filmo o garoto. Ele e suas esferas mágicas e rápidas, ensaiam um ballet quase celestial...Elas num vôo rasante de perspectivas cruzam o ar rarefeito que ele respira. Malabarista da vida, entende muito mais dela do que eu. Sabe que os sonhos tem a eternidade dos minutos. Que Deus às vezes é apenas uma miragem e que aquele sinal pode ser o último.

Ainda assim sorri. "Tia tem um trocado aí?" Eu, tímida e com medo do mundo, abro o vidro e dou menos do que me deram. Menos do que sou. E menos poesia, que é feita desse olhar de menino todo dia. Sua vida parece ser esperar e acreditar num sonho cuja bola um dia, ele jogue com os pés.

O sinal abriu. Envergonhada, deixo para trás o menino e suas bolas prateadas, por não caber numa poesia um futuro que fale de risos e menos riscos...Outra vez o menino volta a arremessar suas esferas mágicas que quase tocam o céu. Fecho os olhos e peço que Deus goste de seus malabarismos...






2 comentários:

luliX pandaglia disse...

Adoro seus textos. Fiquei muito emocionada com esse em especial.
Obrigada pelo seu comentário.
Bjs,
luliX

Adriana Monteiro de Barros disse...

...que bom minha querida! vamos estar juntas nas palavras assim...E sempre!
bjo no coração,
adriana