16 de set de 2008

TEMPORAL

foto/olhares.com

Tempestades não são boas conselheiras. Em geral, deprimem o retrato.
Melhor esperar a cachoeira cumprir seu destino.
Afinal, a poesia aquece o pensamento sob os lençóis.
As borboletas ainda se debatem contra as vidraças molhadas
e as orquídeas teimam em colorir a paisagem pelas janelas.
Em dias de tempestade, meus olhos chovem.
Choram e chovem todas as lágrimas que agora caem lá fora.
Meus olhos ainda insistem em chorar.

5 comentários:

luliX pandaglia disse...

Oi Adriana,
Ontem fui ao Corujão da Poesia em Niterói e fui sorteada com um livro seu. Demais! O curioso é que resolvi abrir aleatoriamente e a poesia que saiu foi Temporal. Achei incrível ainda mais nessa fase de descoberta da sua poesia. Agora com o livro, vou poder mergulhar no seu mundo poético.Como eu me identifiquei com Temporal. Vc é uma poeta muito sensível e talentosa.
Bjs,
luliX

Adriana Monteiro de Barros disse...

AH que demais!
bjs sempre Lú!

Pavitra disse...

"a poesia aquece o pensamento sob os lençóis."

a sua poesia aquece o pensamento até sobre os lençóis, é bem capaz de fazer as nuvens secarem... por isso vc chove?
vc chove... poesias atemporais!

beijos!

luliX pandaglia disse...

Adriana querida,
Fiquei feliz em saber que vc gostou das fotos. A minha sugestão é que vc indique o meu blog. Valeu, queridona poeta!!!!!
http://lulixpandaglia.blogspot.com
Bjs,
luliX

O Murilo disse...

Que poema bom :)

Parabéns também.

Quanto à minha arte, ficar de fora do concurso fnac me fez ver que ainda preciso melhorar muito isso de arte-final.