16 de jan de 2009

O VERSO



Tristezas devem ser deixadas no papel.
Não voam.
Basta que não se escreva palavra mal dita.
Enquanto elas ficam adormecidas em letras,
torna-se possível recomeçar.

4 comentários:

Hercília Fernandes disse...

Adriana,

Linda materialização de sentimentos. Você escolheu bem as palavras para colorir a sua aquarela. Parabéns.

Chego aqui através do blog do Romério, e estou apreciando muito.

Abraços,

Hercília F.

Moacy Cirne disse...

Oi, Adriana, há um poema seu no Balaio de hoje, viu!?! Em tempo: o encontro de ontem, reunindo tanta gente boa, foi legal, né? Beijos.

Adriana Monteiro de Barros disse...

A vocês todos meus poetas, um tudo de bom que houver nessa vida!
beijos na alma

Marcelo Novaes disse...

Adriana,


Embalsame a palvra triste e utilize o ato como bálsamo sagrado.
Sagrado rito.



Beijos,





Marcelo.