31 de ago de 2008

arte/ Tarsila do Amaral- O Irapuru



Por que queria fazer um poema alegre,
feliz de falar.
Mas a vida pede paciência
e enquanto houver vida,
sempre me restará escrever.
Se alegre ou não
haverá poesia.
Escrever, é o que me cabe.



2 comentários:

Romulo Narducci disse...

E que a escrita que flui de você continue nos embevecendo e nos dando orgasmos literários.

Evoé!

Adriana Monteiro de Barros disse...

Lindo meu amigo e a recíproca é verdadeira!

Axé!